Estudantes participam de bate-papo sobre voluntariado
16 de março de 2018 Notícias, Portal

Promover o voluntariado, estimulando os estudantes a envolverem-se em projetos sociais, a fim de que transformem seu conhecimento em ações capazes de contribuir para a construção de um mundo melhor: esse é um dos quatro pilares que sustentam o novo projeto pedagógico para o Ensino Médio, implementado pelo Colégio Notre Dame Aparecida neste ano letivo.

Por meio dessa iniciativa, os educandos serão convidados a conhecer a realidade das áreas de vulnerabilidade social existentes em Carazinho – seja por meio de visitas ou da coleta de informações e dados fornecidos pela Secretaria Municipal de Assistência Social – para, então, elaborar e implementar ações que visem a melhoria da qualidade de vida de seus habitantes, considerando suas principais necessidades.

Antes de dedicarem-se à análise e ao planejamento das medidas que pretendem adotar, contudo, os adolescentes participaram de sensibilização acerca da importância da solidariedade.

Voluntariado (37)No primeiro encontro de Voluntariado, realizado na última quinta-feira (15), eles participaram de um bate-papo com a presidente da Liga Feminina de Combate ao Câncer do município, Jussara Biazus, e com a paciente Maria Eliane de Jesus, que apoia a entidade que acolhe, orienta e auxilia, gratuitamente, pessoas diagnosticadas com a doença.

Primeiramente, Jussara, explicou aos estudantes como a organização atua, ressaltando, a atenção direcionada aos pacientes oncológicos que vivem em situação de vulnerabilidade social e o envolvimento em campanhas de prevenção ao câncer. Além disso, destacou a amplitude do trabalho voluntário, que beneficia tanto a comunidade à qual é destinado como as pessoas que o realizam, expandindo seus olhares e empregando sentido às suas vidas.Voluntariado (52) “Ser um bom cidadão não é apenas pagar os impostos em dia, mas, principalmente, transformar a realidade em que se vive, seja no meu bairro, na minha escola, na minha família, no meu grupo de futebol…”, afirmou.

Maria Eliane, por sua vez, contou aos jovens sobre como recebeu o diagnóstico, há um ano, e enalteceu o valor do apoio emocional e psicológico que a Liga deu a ela durante todo o tratamento.